Participação do Gedim no PIBID

O PIBID é o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência que envolve estudantes e professores da escola básica e da Universidade. Atualmente são 472 bolsas para estudantes de cursos de licenciatura da UFES.
O objetivo do PIBID é desenvolver uma política de incentivo à formação de docentes a partir da garantia de maior permanência dos licenciados nas escolas de Educação Básica.
Na última terça-feira, dia 28/11, o programa organizou um evento na Ufes “Café com PIBID” e, convidou o Grupo de Estudos sobre Discurso e Mídia – Gedim para conduzir as discussões. O tema discutido foi  “MÍDIA E ENSINO”,  dentro desse assunto foram abordadas as seguintes temáticas:
  • Mídia e violência contra mulher.
  • Mídia e Política.
  • Mídia e Manifestações sociais.

Após as apresentações, a professora Drª. Micheline Tomazi Mattedi oportunizou a plateia para fazer perguntas. A interação foi bastante descontraída e produtiva. No final, a professora sorteou dois livros, sendo que o livro “ESTUDOS DISCURSIVOS EM DIFERENTES PERSPECTIVAS: MÍDIA, SOCIEDADE E DIREITO” é de organização de componentes do Gedim ( Micheline Mattedi Tomazi; Lúcia Helena Peyroton da Rocha; Júlio Cézar Pompeu).

Gedim – 30/11/2017

Gedim em festa….

Os participantes do Gedim (Ufes) parabenizam as aniversariantes do mês com votos de muiiitas  dissertações, ou melhor, felicitações.

Parabéns, Jéssica Ortega e Sheila Carriço!!!!

Eventos 2017/2 – Qualificações

O segundo semestre de 2017 também foi marcado pela qualificação de todas as orientandas da Prof. Dr. Micheline Mattedi Tomazi, coordenadora do Gedim. São elas:

Anna Maria Martins Souza

Jéssica Ortega

Maruza Brasil Boone

Sheila Carriço

Tamiris Demoner.

Ótima defesa a todas!!!

Eventos 2017/2 – Simpósio Internacional de Linguística (SIL) – São Paulo – Brasil.

No período de 12 a 15 de setembro de 2017, no campus Anália Franco, da Universidade Cruzeiro do Sul, São  Paulo, aconteceu o 7º Seminário Internacional de Linguística – 7º Sil. O Gedim teve uma participação expressiva com o Simpósio “Violência Contra as Mulheres no Brasil”, coordenado pela Profª. Dr. Micheline Mattedi Tomazi e o Prof. Daniel de Mello Ferraz. Ainda houve várias comunicações dos participantes do grupo.

Gedim – 2º semestre

Na próxima quinta-feira, dia 24/08/17, o grupo do Gedim reinicia as atividades de estudo com muita expectativa. O motivo é uma palestra com o Dr. Vitor, mestrando em Direito Processual Civil pela Universidade Federal do Espírito Santo – UFES, que falará sobre “O Processo Judicial como instrumento de jurisdição contra majoritária: uma análise filosófico social do contexto racial brasileiro.”

 

Abaixo, uma prévia sobre o assunto:

A partir da base teórica em filosofia social, especialmente a Teoria Crítica decorrente de Jürgen Habermas e Axel Honneth, é possível compreender a teoria da justiça de fora da Ciência do Direito, atraindo elementos empíricos produzidos pelas ciências da sociologia e da historiografia. Honneth defende que o Direito, em verdade, não é o ambiente mais propício para o estudo da teoria da justiça.

Nesse contexto, atualmente a Teoria Crítica estuda as relações intersubjetivas nas esferas da Família, do Direito e do Estado para compreender as etapas de reconhecimento dos sujeitos individualmente considerados e como membros de grupos de resistência as históricas ações de rebaixamento. A Teoria parte da premissa da pessoa como ser naturalmente social, para analisar busca por um estado de assentimento solidário de reconhecimento, que não se limitaria a mera tolerância das diferenças.

Diante desse arcabouço teórico, estudamos o desenvolvimento histórico e sociológico da busca por reconhecimento do negro no Brasil, com ênfase naquelas três esferas de relações intersubjetivas estudadas pela Teoria Crítica, para compreender as conquistas alcançadas e o que ainda deve ser buscado para que se atinja o esperado assentimento solidário. A título de exemplo, pelo que já constatamos no atual estágio da pesquisa, nas esferas do Direito e do Estado, no Brasil – diferentemente de outros países como os EUA – a ausência de um conceito bem definido de “raça” dificultou a criação de uma identidade que unisse indivíduos com histórias semelhantes de rebaixamento – em verdade, apenas contribuiu para a construção de um mito de igualdade racial – gerando importante entrave a referida busca por reconhecimento.

Até lá!

 

MAIS UM FIM DE SEMESTRE…

O Gedim encerra mais um semestre com produtivos estudos.

“A conquista da opinião pública : como o discurso manipula as escolhas políticas”  de Patrick Charaudeau) foi o livro que moveu as discussões do grupo nesse primeiro semestre. Ele explora os mecanismos discursivos que estão por trás do exercício do poder político. A opinião é um fato de linguagem e, sua construção resulta do entrecruzamento dos atos linguageiros que o indivíduo ou o grupo recebeu, ouviu e produziu. Também,  a manipulação  das mentes se faz por meio da linguagem. Assim, o estudo do livro em questão concerne à Análise do Discurso. Charaudeau se utilizou dessa ciência para revelar ao leitor como os políticos exercem poder sobre o público para operar sua função, bem como atingir seus objetivos.

Ressaltamos ainda, uma consideração do CCHN – Ufes em decorrência de uma das pesquisas do grupo:

“É interessante destacar a relaçao do projeto com os estudos desenvolvidos pelo Grupo de Estudos sobre Discurso da Mídia (GEDIM/UFES), evidenciando o modo como o próprio grupo tem enfrentado, de maneira qualificada, o debate no campo das representações sociais.” (trecho do parecer nº 1. 877.883).

Parabéns a todos os participantes e, principalmente à coordenadora Prof. Drº Micheline Mattedi Tomazi que trata as pesquisas e estudos com muito comprometimento e seriedade.

O último encontro, também, foi marcado por uma  confraternização com os integrantes do grupo. Aproveitamos o ensejo para desejar as boas vindas à Giselle Lopes  e ao Evandro, os mais novos participantes.

Grande abraço e até o próximo semestre!!!

 

ESTUDOS DO GEDIM

No último encontro do Gedim, dia 27/04/2017, foi finalizado o estudo do livro DISCURSO E CONTEXTO: UMA ABORDAGEM SOCIOCOGNITIVA (VAN DIJK). A temática central do livro é a teoria de contexto defendida pelo autor como um construto subjetivo dos participantes. Para ele, o modelo mental atua no controle da produção e da compreensão do texto e do discurso. Ao longo dos capítulos, o autor vai apresentando propostas esquemáticas de contextos e de categorias relevantes, como por exemplo, o ambiente, os participantes, o ‘eu-mesmo’, eventos comunicativos, entre outras. Van Dijk combate o uso de conhecimentos generalizados sobre grupos, uma vez que um indivíduo específico possui um modo subjetivo de entender e construir fatos sociais, ou seja, a perspectiva contextual é construída por meio de modelos mentais.